Show simple item record

dc.contributor.authorFerreira, Luis Eduardo
dc.coverage.spatialUniversidade de Ribeirão Preto - UNAERPpt_BR
dc.date.accessioned2021-04-01T19:51:36Z
dc.date.available2021-04-01T19:51:36Z
dc.date.issued2016pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.unaerp.br//handle/12345/273
dc.description.abstractNos últimos anos a ovinocultura se destacou no setor pecuário. Isto foi motivado pelo forte interesse na obtenção de seus derivados, apresentando grande superávit de mercado no Brasil e no mundo. No entanto, o setor ainda enfrenta sérios problemas sanitários e zootécnicos agravados pela resistência anti-helmíntica, o que dificulta o controle das doenças gastrintestinais causadas principalmente pela espécie parasitária Haemonchus contortus. A busca por novos agentes anti-helmínticos que ajam em diferentes fases do ciclo de vida do parasita tem sido uma das alternativas perseguidas pelo mercado veterinário. O objetivo do presente trabalho foi avaliar a atividade anti-helmíntica de óleos essenciais de plantas das famílias Asteraceae, Lamiaceae e Rutaceae, através de ensaios in vitro e in vivo envolvendo ovinos infectados artificialmente com o isolado resistente do parasita H. contortus (Embrapa2010). Nos ensaios in vitro, foram realizados ensaios de inibição da eclosão de ovos, motilidade larvar e viabilidade dos parasitas adultos, com exposição direta dos óleos essenciais contra as diferentes fases evolutivas do H. contortus. Os resultados in vitro mostraram que o óleo essencial de T. vulgaris (“tomilho”) foi o que apresentou melhor desempenho na atividade anti-helmíntica em comparação com os demais óleos testados. Apesar da ineficácia relativa do óleo de T. vulgaris no ensaio in vivo, o que se deve ser corrigido através do melhoramento de sua biodisponibilidade, os resultados in vitro validam o uso popular do óleo de T. vulgaris como anti-helmíntico, ao menos contra o H. contortus. De fato, tanto o óleo essencial de T. vulgaris quanto o timol, que representa 50,22% da composição do óleo, foram efetivos contra o H. contortus nas suas principais fases de vida. Tanto o óleo quanto o timol foram capazes de inibir a eclosão dos ovos entre 96,4 a 100% e a motilidade larvar entre 97,0% a 100%. Tanto óleo quanto timol bloquearam completamente a motilidade de parasitas adultos de H. contortus dentro das primeiras 6 horas de experimento, equiparando-se ao controle positivo. Dado fato de o timol replicar em grande proximidade os resultados anti-helmínticos apresentados pelo óleo e de ser este composto o principal constituinte do mesmo, é natural assumir que o timol seja o único responsável direto pela ação anti-helmíntica de T. vulgaris. Estes resultados apresentam importância etnofarmacológica, sendo de valia para o desenvolvimento de novos fármacos e mesmo da fitoterapia, aumentando a oferta de opções para o mercado veterinário.pt_BR
dc.format.extent60 f.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectBiotecnologiapt_BR
dc.subjectPlantas medicinaispt_BR
dc.titleAvaliação da atividade anti-helmíntica in vitro e in vivo de óleos essenciais de plantas das famílias asteraceae, lamiaceae e rutaceae contra isolado resistente de haemonchus contortuspt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.contributor.advisorBeleboni, René de Oliveira


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record


Mantenedor
UNAERP
Plataforma
DSpace
Desenvolvido por
Digital Libraries
Licenciamento
Creative Commons